sábado, 23 de abril de 2016

Qual o problema de ser “bela, recatada e do lar”?


Polêmica que causou alvoroço nas redes sociais é uma ótima oportunidade para refletirmos sobre os valores que temos transmitido aos nossos filhos.
 
Reportagem publicada esta semana na revista Veja causou alvoroço nas redes sociais, depois de descrever Marcela Temer, a esposa do vice-presidente da República, como uma mulher "bela, recatada e 'do lar'". Aparentemente, os adjetivos não foram bem aceitos pelo público na Internet. Alguns veículos de comunicação chamaram a matéria de "machista" e "intolerante".
 
Agora abstraiam, por um momento, da figura de Marcela Temer, do conteúdo do artigo e de qualquer conotação política que ele tenha. O verdadeiro debate aqui é de natureza moral. Qual é, no fim das contas, o problema de uma mulher ser ou mesmo identificar-se como "recatada, modesta e do lar"? De onde surgem tantas reações negativas a esse perfil?
 
A resposta para essa pergunta deve ser encontrada no tsunami cultural que tem devastado o mundo todo, principalmente a partir da década de 70. Tudo começou com uma simples "onda" (alguns sutiãs queimados aqui, outros livros de protesto acolá), mas, graças à atuação da mídia, as coisas tomaram proporções catastróficas. Até algum tempo atrás, ser "bela, recatada e do lar" não só era uma característica comum às mulheres, como toda a sociedade estava projetada para formar as mulheres deste modo, seja dentro da família, seja dentro das escolas. "Modéstia", "recato", "pudor" e "maternidade" nem sempre foram xingamentos. Antes de as pessoas enlouquecerem, eram todas metas que os pais almejavam para a educação das suas filhas. Protestos para usar shortinho nas escolas eram impensáveis há alguns anos.
 
 
Por que o quadro social e familiar mudou tanto?
 
As feministas dirão que os tempos são outros, porque as mulheres se emanciparam. Os fatos mostram, no entanto, que os tempos são péssimos, porque as mulheres, na verdade, se deixaram manipular. E é fácil demonstrar como.
 
Olhemos, em primeiro lugar, para o que aconteceu esta semana nas redes. Não é curioso que os protestos ao perfil "bela, recatada e do lar" tenham viralizado com tanta rapidez, ganhando espaço até mesmo nos veículos informativos de grande circulação? — Vejam, dizem as notícias, trata-se de mulheres esclarecidas, que não se deixam enganar pelo discurso do patriarcado opressor e misógino! Elas resistem à manipulação! — A pergunta que deve ser feita é: que grande mérito existe em "resistir" a um discurso com o qual já ninguém está mais de acordo? Qual a grande coisa em criticar "vestidos na altura dos joelhos" quando quase nenhuma mulher os usa? O que há de "resistência" em falar mal das donas de casa, quando o que as mulheres querem é justamente ficar longe de casa? É muito fácil falar de "empoderamento" quando se é carregado pela correnteza de um rio. Só uma coisa verdadeiramente viva é capaz de nadar contra a corrente.
 
Dizendo mais claramente, não é preciso ter coragem nenhuma para usar um shorts curto ou uma blusa decotada quando está todo o mundo fazendo o mesmo. Ousadia quem tem é a mulher que, em tempos de pouco tecido, escolhe cobrir o seu corpo com respeito; que, em tempos de ódio à maternidade, escolhe ter uma família numerosa; que, em tempos de depravação geral, escolhe viver o recato e a decência. Essa é uma mulher de bravura, que não adere simplesmente às "modas" do momento.
 
Quanto à ideologia por que morre de amores a nossa elite cultural, um olhar acurado às suas raízes justifica ainda mais o uso do termo "manipulação". O movimento feminista adora falar de "libertação sexual" e de "empoderamento da mulher", apontando o dedo à Igreja, à imagem da Virgem Maria e à família burguesa, como se fossem eles os grandes inimigos da emancipação feminina.
 
A verdade é que nada escraviza tanto as mulheres quanto o feminismo moderno. O feminismo que lhes diz que não serão felizes enquanto não tiverem uma carteira de trabalho e não se sujeitarem a seus patrões (para substituir os maridos de que elas querem prescindir). O feminismo que lhes diz que não serão livres enquanto não transformarem os seus úteros em túmulos (para que não sacrifiquem a sua "realização profissional"). O feminismo que lhes diz que não serão iguais enquanto não superarem os homens em imoralidade e em depravação. E, por fim, o feminismo que lhes diz que não deveriam sequer ter a opção de ficar em casa para cuidar dos próprios filhos, porque isso ajudaria a perpetuar "os mitos da família, da maternidade e do instinto materno". Palavras da ativista Simone de Beauvoir, documentadas para quem as quiser ler.
 
Na verdade, o grande problema de uma "mulher, recatada e do lar" — seja quem for, desde Nossa Senhora a uma humilde mãe de família — é que ela lembra às pessoas do nosso tempo o fracasso da educação que temos recebido e repassado aos nossos filhos e filhas. Nós deixamos de acreditar no amor e já estamos convencidos de que não é possível viver senão movidos por nossas carências afetivas e impulsos sexuais desordenados.
 
Educar uma pessoa — qualquer pessoa, seja mulher, seja homem — para a virtude, para o respeito ao próprio corpo e ao próximo, é tarefa difícil, que exige paciência, dedicação e perseverança. Mas nós, pelo visto, não queremos nada disso. Estamos satisfeitos com nossa medíocre "felicidade animal", com nosso desleixo generalizado, com nossa falta de amor próprio.
 
Enquanto tivermos alma, no entanto, o profundo vazio de nosso coração continuará clamando bem alto para que voltemos à casa do Pai. E sentirmo-nos orgulhosos por comer a lavagem dos porcos só vai aumentar ainda mais a nossa miséria.
 
 
 
Por Equipe Christo Nihil Praeponere
 

Sugestões



quarta-feira, 2 de março de 2016

Qual a sua desculpa para não ir à Missa?

Quando uma pessoa falta à Missa para ir ao shopping, para adiantar um trabalho, para dormir algumas horas extras ou para participar de um evento social, não é preciso muito para perceber o lugar que Deus ocupa na sua vida.
 


P.: Visitei os meus parentes na última Páscoa e, infelizmente, eles não foram à Missa. Quando saí para participar, lembrei a eles que faltar à Missa era pecado mortal, ao que eles responderam:

"Isso foi muito tempo atrás... Faltar à Missa não é mais pecado mortal."

O que devo dizer para eles? Preciso de munição.


R.: Mais do que abordar essa questão sob o ângulo do pecado, é preciso trazer à mente qual a importância da Missa. A cada domingo, nós nos reunimos como Igreja, com os corações repletos de alegria, para prestar a Deus o nosso culto de adoração. Mais uma vez, recordamos e professamos a nossa fé no mistério da salvação: Jesus Cristo, o Filho de Deus, sofreu, morreu e ressuscitou para a nossa redenção. As ações salvíficas da Quinta-feira, Sexta-feira e Sábado Santos estão todas reunidas no Santo Sacrifício da Missa. A Constituição Conciliar Sacrosanctum Concilium afirma que "a Liturgia, pela qual, especialmente no sacrifício eucarístico, se opera o fruto da nossa Redenção, contribui em sumo grau para que os fiéis exprimam na vida e manifestem aos outros o mistério de Cristo e a autêntica natureza da verdadeira Igreja" (n. 2).

Mais do que isso, na Missa, cada fiel católico é alimentado com abundantes graças: primeiro, somos nutridos com a Palavra de Deus – a verdade eterna de Deus que nos foi revelada e escrita sob a inspiração do Espírito Santo. Depois, damos a nossa resposta a Ele, professando a nossa santa fé católica, tal como apresentada no Credo, dizendo não simplesmente "Eu acredito", como uma pessoa só, mas "Nós acreditamos", como parte da Igreja.

Então, se estamos em estado de graça, temos a oportunidade de receber Nosso Senhor na Eucaristia. Nós firmemente acreditamos que Ele está verdadeiramente presente nesse sacramento, e que nós recebemos Seu corpo, sangue, alma e divindade na Sagrada Comunhão. A Eucaristia não só nos une intimamente ao Senhor, mas nos une em comunhão aos nossos irmãos e irmãs de toda a Igreja universal. A Santa Eucaristia é um dom muito precioso! Em sua encíclica Ecclesia de Eucharistia, o Papa São João Paulo II sublinha que "esta eficácia peculiar que tem a Eucaristia para promover a comunhão é um dos motivos da importância da Missa dominical". Ali "é o lugar privilegiado, onde a comunhão é constantemente anunciada e fomentada. Precisamente através da participação eucarística, o dia do Senhor torna-se também o dia da Igreja, a qual poderá assim desempenhar de modo eficaz a sua missão de sacramento de unidade" (n. 41).

Com isso em mente, ninguém deveria simplesmente pensar em assistir à Santa Missa para satisfazer uma obrigação. Participar na celebração eucarística é um privilégio e todo fiel católico deveria desejar ardentemente fazê-lo. Nossa atitude não deve ser, "Eu tenho que ir à Missa", mas sim, "Eu quero fazer isso".

Justamente porque nos oferece dons tão preciosos, nos alimenta com tão grandes graças e nos une como Igreja, nós também temos o dever sagrado de participar na Santa Missa. O terceiro mandamento do Decálogo manda "santificar o dia do sábado" (Ex 20, 8). Para o povo judeu, no Antigo Testamento, o sábado marcava o "dia de descanso" após a Criação. Nós, cristãos, sempre guardamos o domingo, dia da Ressurreição do Senhor. Assim como a Criação se inicia no primeiro dia da semana, com Deus dizendo, "Faça-se a luz" (Gn 1, 3), Nosso Senhor, a Luz que veio para destruir a escuridão do pecado e da morte, ressuscitou dos mortos naquele primeiro dia inaugurando a Nova Criação.

Considerando a grandeza da Missa, bem como o Antigo Testamento, que foi devidamente aperfeiçoado pela Igreja, o Código de Direito Canônico prescreve: "O domingo, em que se celebra o mistério pascal, por tradição apostólica, deve guardar-se como dia festivo de preceito em toda a Igreja" (n. 1246). Mais do que isso, "no domingo e nos outros dias festivos de preceito os fiéis têm obrigação de participar na Missa" (n. 1247). Também o Catecismo ensina que "os que deliberadamente faltam a esta obrigação cometem um pecado grave" (n. 2181) — e pecado grave é, de fato, pecado mortal. O Papa João Paulo II repetiu esse preceito em sua carta apostólica Dies Domini, n. 47, e de novo em sua encíclica Ecclesia de Eucharistia, n. 41: "Participar na Missa é uma obrigação dos fiéis, a não ser que tenham um impedimento grave".

Podem surgir certas circunstâncias, é claro, que escusem de assistir à Missa, como quando uma pessoa está doente, tem que lidar com uma emergência, ou não consegue encontrar uma Missa sem grande sobrecarga. Um pastor também pode dispensar uma pessoa da obrigação de assistir à Missa por uma razão grave. Ninguém, por exemplo, muito menos Nosso Senhor, espera que uma pessoa vá à Missa estando tão enferma a ponto de não poder participar fisicamente nela ou de pôr em risco a saúde dos outros; não há virtude alguma em arriscar a própria saúde e ainda por cima infectar a todos na igreja. Ou, no caso de uma tempestade muito forte, uma pessoa deve julgar com prudência se consegue viajar em segurança para assistir à Missa sem que arrisque seriamente a própria vida e a das outras pessoas. Quando surgem circunstâncias graves que impedem uma pessoa de assistir à Missa, ela deve reservar um tempo para rezar, fazer as orações, leituras da liturgia e, pelo menos, participar em espírito — mantendo em mente que, quando circunstâncias graves surgem, uma pessoa não comete pecado mortal por faltar à Missa.

Ao examinar essa questão, contudo, uma pessoa deve refletir realmente no valor e na grandeza da Missa e do sacramento da Eucaristia. Todos os dias, fiéis católicos na República Popular da China arriscam não só oportunidades educacionais e econômicas, mas também as suas próprias vidas, só para assistir à Santa Missa. Em territórios de missão, pessoas viajam vários quilômetros só para participar da Eucaristia. Um missionário africano contou-me que alguns dos seus fiéis caminham 16 quilômetros para vir à Missa aos domingos, e então têm que andar mais 10 milhas de volta. Eles se arriscam e se sacrificam porque realmente acreditam na Missa e na presença do Senhor na Eucaristia.

Quando uma pessoa negligentemente "falta à Missa" só para ir ao shopping, para adiantar um trabalho, para dormir algumas horas extra, para participar de um evento social, ou para não interromper as suas férias, ela está permitindo que alguma coisa tome o lugar de Deus, que algo se torne mais importante que a Santa Eucaristia. Infelizmente, conheci famílias que poderiam ir tranquilamente à igreja, mas que escolhiam deliberadamente não participar da Missa. Ironicamente, eles mandavam os seus filhos para uma escola católica. Sim, um comportamento desse tipo indica que uma pessoa voltou as costas ao Senhor e que está cometendo um pecado grave.

Deus deve vir em primeiro lugar nas nossas vidas. No domingo, nosso primeiro dever como católicos é adorar a Deus na Missa e ser alimentado com a Sua graça. A Didascalia Apostolorum, um escrito do terceiro século, exorta: "Deixai tudo no Dia do Senhor e correi diligentemente à assembleia, porque é o vosso louvor a Deus. Caso contrário, que desculpa darão ao Senhor esses que não se reúnem no Seu dia para ouvir a palavra da vida e receber o divino alimento que dura para sempre?" De verdade, que desculpa eles darão?


Por Pe. William Sanders | Tradução: Equipe Christo Nihil Præponere

 

terça-feira, 8 de setembro de 2015

Papa simplifica processo de nulidade matrimonial


A intenção de Francisco não é favorecer a nulidade, mas agilizar o processo


Rádio Vaticano
 
Foram anunciadas na manhã de terça-feira,8, em uma coletiva de imprensa no Vaticano, as principais mudanças decididas pelo Papa Francisco em relação aos processos de nulidade matrimonial.
 
O objetivo do Papa não é favorecer a nulidade dos matrimônios, mas a rapidez dos processos: simplificar, evitando que por causa de atrasos no julgamento, o coração dos fiéis que aguardam o esclarecimento sobre seu estado “não seja longamente oprimido pelas trevas da dúvida”.
 
As alterações constam em dois documentos Mitis Iudex Dominus Iesus (Senhor Jesus, meigo juiz) e Mitis et misericors Iesus (Jesus, meigo e misericordioso), apresentados na Sala de Imprensa da Sé.
 
 
Leia também

.: Papa pede empenho em agilizar processos de nulidade matrimonial.: Papa orienta Tribunais eclesiásticos sobre validade matrimonial


A reforma foi elaborada com base nos seguintes critérios:
 
1. Uma só sentença favorável para a nulidade executiva: não será mais necessária a decisão de dois tribunais. Com a certeza moral do primeiro juiz, o matrimônio será declarado nulo.
 
2. Juiz único sob a responsabilidade do Bispo: no exercício pastoral da própria ‘autoridade judicial’, o Bispo deverá assegurar que não haja atenuações ou abrandamentos.
 
3. O próprio Bispo será o juiz: para traduzir na prática o ensinamento do Concílio Vaticano II, de que o Bispo é o juiz em sua Igreja, auspicia-se que ele mesmo ofereça um sinal de conversão nas estruturas eclesiásticas e não delegue à Cúria a função judicial no campo matrimonial. Isto deve valer especialmente nos processos mais breves, em casos de nulidade mais evidentes.
 
4. Processos mais rápidos: nos casos em que a nulidade do matrimônio for sustentada por argumentos particularmente evidentes.|
 
5. O apelo à Sé Metropolitana: este ofício da província eclesiástica é um sinal distintivo da sinodalidade na Igreja.
 
6. A missão própria das Conferências Episcopais: considerando o afã apostólico de alcançar os fiéis dispersos, elas devem sentir o dever de compartilhar a ‘conversão’ e respeitarem absolutamente o direito dos Bispos de organizar a autoridade judicial na própria Igreja particular. Outro ponto é a gratuidade dos processos, porque “a Igreja, mostrando-se mãe generosa, ligada estritamente à salvação das almas, manifeste o amor gratuito de Cristo, por quem fomos todos salvos”.
 
7. O apelo à Sé Apostólica: será mantido o apelo à Rota Romana, no respeito do antigo princípio jurídico de vínculo entre a Sé de Pedro e as Igrejas particulares.
 
8. Previsões para as Igrejas Orientais: considerando seu peculiar ordenamento eclesial e disciplinar, foram emanados separadamente as normas para a reforma dos processos matrimoniais no Código dos Cânones das Igrejas Orientais.
 
Diante dos jornalistas credenciados, o juiz decano do Tribunal da Rota Romana, Monsenhor Pio Vito Pinto explicou que os decretos (motu próprio) são resultado do trabalho da comissão especial para a reforma destes processos, nomeada pelo Papa em setembro de 2014.
 
Também estavam na coletiva o Cardeal Francesco Coccopalmerio, Presidente do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos, e o arcebispo jesuíta Luis Francisco Ladaria, secretário da Congregação para a Doutrina da Fé.
 
 

Festa da Padroeira Nossa Senhora do Desterro em Itambé-PE

11975392_1011358198883687_1808317351_o

Dia 28/08/2015 – Abertura do Novenário. 18h30 – Procissão da Bandeira – saindo da residência da Sr. Hosane e Sr. Ires Marciel. Endereço: Rua Eliud Falcão, 180 – Centro 19h30 – Celebração Eucarística. Tema: “Jesus Formando”. Pregador: Pe. Irapuan Júnior. Animação: Coral Sagrado Coração de Jesus. Noiteiros: Mãe Rainha, Pastoral Carcerária, O.V.S., Pastoral do Batismo e Pastoral das Enfermas. Após a Santa Missa Show com a Banda Anjos do Amor – Com. Lírios do Vale de João Pessoa.

Dia 29/08/2015 – Sábado – Noite da Juventude 19h00 – Novena 19:h30 – Celebração Eucarística Tema: “Jesus chama pessoas para segui-lo”. Pregador Pe. Vanduy Bione de Araújo. Animação: Ministério de Música Cruz Sacra. Noiteiros: Pastoral da Juventude, Catequese: 1 Eucaristia e Crisma, Comunidade Obra de Maria, Comunidade Cruz Sacra, Grupo Jovens em Deus, Pastoral dos Surdos, Bairro do Maracujá e Novo Itambé. Após a Santa Missa ELETROCRISTO, um grande louvor com todos os Jovens e Comunidades com a Banda São Francisco de Olinda.

Dia 30/08/2015 – Domingo 15h00 – Celebração Eucarística no Desterro em seguida procissão para Igreja Matriz. Após a procissão terá a Bênção o Santíssimo. Tema: Evangelho dominical. Pregador: Marcelo Marques de Santana Junior. Animação: Bandinha do ECC. Trio Elétrico com Banda Adoração e Luz de Catende.

Dia 31/08/2015 – Segunda-Feira 19h00 – Novena 19h30 – Celebração Eucarística Tema: “Construindo a Comunidade Formadora” Pregador: Pe. Antônio Monteiro Animação: Santuário de Nossa Senhora da Conceição de Pedras de Fogo-PB Noiteiros: Santuário de Nossa Senhora da Conceição de Pedras de Fogo-PB

Dia 01/09/2015 – Terça-Feira 19h00 – Novena. 19h30 – Celebração Eucarística Tema: “O Formador em Ação”. Pregador: Pe. Sérgio Roberto. Animação: Grupo Louvores. Noiteiros: Pastoral da Criança, Pastoral da Pessoa Idosa, Dízimo, Bairros: Figueiredo, Boa Vista, Dr. Gildo Andrade e Francisco Cordeiro.

Dia 02/09/2015 – Quarta-Feira 19h00 – Novena 19h30 – Celebração Eucarística Tema: “O Uso da Bíblia” Pregador: Pe. João Santana da Silva. Animação: Coral da Divina Misericórdia (Ibiranga). Noiteiros: Comunidade de Ibiranga, Mil Ave Marias, Terço dos Homens, Grupo de Evangelização, Comunidade da Vila Rafael Pacífico e Grupo Servos do Altíssimo.

Dia 03/09/2015 – Quinta-Feira 19h00 – Novena. 19h30 – Celebração Eucarística. Tema: “A Cartilha do Seguimento de Jesus”. Pregador: Pe. Diego Roberto da Silva Animação: Ministério de Música da RCC. Noiteiros: MECE’s, Acólitos, Coral São José, Grupo de Evangelização da Salgadeira, Bairro da Salgadeira e Luiz Gonzaga.

Dia 04/09/2015 – Sexta-Feira 19h30 – Novena 19h30 – Celebração Eucarística Tema: “Formar para a Oração”. Pregador: Pe. Artur Alexandre da Silva. Animação: Coral Nossa Senhora do Desterro. Noiteiros: Apostolado da Oração, ECC, Pastoral Familiar, Pastoral Pré-Matrimonial, Coral Canarinhos do Senhor. Após a Santa Missa Sorteio de Três valiosos Prêmios.

Dia 05/09/2015 – Sábado 19h00 – Novena 19h30 – Celebração Eucarística Tema: “Jesus Diante do Pai: Fiel até o fim”. Pregador: Pe. Alex Antônio da Silva. Animação: Ministério de Música de Caricé. Noiteiros: Comunidade de Caricé, Usina Brasil, Sitio Jardim, Ministério de Louvor El Brit e Coral Homens que louvam ao Senhor. Após a Santa Missa Leilão Beneficente ao lado da Igreja Matriz.

Dia 06/09/2015 – Dia da Festa 06h00 – Repique de sinos e uma grande Girândola 10h00 – Missa Solene na Igreja Matriz presidida por Dom Severino Batista de França OFMCap e transmitida pela Rádio RC-FM 98,5 Animação: Coral Homens que Louvam ao Senhor. 12h00 – Repique de sinos e uma grande Girândola 17h00 – Procissão com a Venerável Imagem de Nossa Senhora do Desterro pelas ruas de nossa Cidade. Após a Procissão encerramento com a Celebração Eucarística. Pregador: Pe. Pedro Francisco Animação: Ministério de Louvor El Brit. Logo após a Santa Missa Show com Jair Nascimento.

 Quadro de Honra Sua Santidade Papa Francisco Dom Severino Batista de França, OFMCap. – Bispo Diocesano Dom Jorge Tobias de Freitas – Bispo Emérito Pe. Severino José da Silva Filho – Pároco Juízes da Festa Josmar José Dias e Elizangela Dias Nascimento Severino Hermínio dos Santos e Martinha Vanderli de Oliveira Santos Juízes da Bandeira Íris Luiz Marciel e Hosana Lima Santana Marciel Juízes do Altar Coral dos Homens que Louvam o Senhor e Grupo de Oração Terço dos Homens Juízes do Andor do Desterro Marcos Henrique da Silva e Zelma Mariano de Pontes Juiz do Andor dia da Festa Grupo do Apostolado da Oração.

Agradecimentos: Nossa gratidão a todos os que tornaram nossa Festa mais bonita e pela generosidade e participação. Aos que contribuíram com amor e dedicação. Somos gratos aos Juízes da Festa e a toda comissão que prepararam tudo com maestria e zelo. Que o Senhor Jesus Cristo abençoe a Todos!


Pe. Severino José da Silva Filho – Pároco


11948062_1011358278883679_1415362766_n



Fonte: Paróquia Nossa Senhora do Desterro

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Jubileu da Misericórdia



Papa explica como receber indulgência

No Ano Jubilar, Francisco permitiu que todos os padres absolvam o pecado do aborto; até então somente os Bispos, ou o padre que eles autorizassem, podiam fazê-lo
Rádio Vaticano
 
O Papa Francisco enviou, nesta terça-feira, 1, uma carta ao Presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, Arcebispo Rino Fisichella, responsável pela organização do Jubileu da Misericórdia, na qual descreve as diversas formas em que será possível obter indulgências durante o Ano Santo, entre 8 de dezembro deste ano até 20 de novembro de 2016.
 
A mensagem traz as reflexões sobre alguns pontos que o Papa considera importantes para que a celebração do Ano Santo seja “um verdadeiro momento de encontro com a misericórdia de Deus”.
 
Acesse

.: Todas as notícias sobre o Jubileu da Misericórdia


“Espero que a indulgência jubilar chegue a cada um como uma experiência genuína da misericórdia de Deus, que vai ao encontro de todos com o rosto do Pai que acolhe e perdoa, esquecendo completamente o pecado cometido”, refletiu o Pontífice.
 
 
Peregrinação
 
Para viver e obter a indulgência, os fieis são chamados a realizar uma breve peregrinação rumo à Porta Santa, aberta em cada Catedral ou nas igrejas estabelecidas pelo Bispo diocesano, e nas quatro Basílicas Papais em Roma, como sinal do profundo desejo de verdadeira conversão.
 
“Estabeleço, igualmente, que se possa obter a indulgência nos Santuários onde se abrir a Porta da Misericórdia e nas igrejas que tradicionalmente são identificadas como Jubilares. É importante que este momento esteja unido, em primeiro lugar, ao Sacramento da Reconciliação e à celebração da santa Eucaristia com uma reflexão sobre a misericórdia”, recordou o Papa.
 
“Será necessário acompanhar estas celebrações com a profissão de fé e com a oração por mim e pelas intenções que trago no coração para o bem da Igreja e do mundo inteiro”, acrescentou Francisco.
 
 
Enfermos
 
Sobre aqueles que, por diversos motivos, estiverem impossibilitados de ir até à Porta Santa, sobretudo os doentes e as pessoas idosas e sós, que muitas vezes se encontram em condições de não poder sair de casa, o Papa garantiu:
 
É preciso “viver com fé e esperança jubilosa este momento de provação, recebendo a comunhão ou participando na santa Missa e na oração comunitária, inclusive por meio dos vários meios de comunicação – que será para eles o modo de obter a indulgência jubilar”, afirmou o Papa.
 
 
Presos
 
“O Jubileu constituiu sempre a oportunidade de uma grande anistia, destinada a envolver muitas pessoas que, mesmo merecedoras de punição, todavia tomaram consciência da injustiça perpetrada e desejam sinceramente inserir-se de novo na sociedade, oferecendo o seu contributo honesto”, destacou o Pontífice.
 
E fez um pedido: “A todos eles chegue concretamente a misericórdia do Pai que quer estar próximo de quem mais necessita do seu perdão”.
 
O Papa destacou ainda que os presos “poderão obter a indulgência, e todas as vezes que passarem pela porta da sua cela, dirigindo o pensamento e a oração ao Pai, que este gesto signifique para eles a passagem pela Porta Santa, porque a misericórdia de Deus, capaz de mudar os corações, consegue também transformar as grades em experiência de liberdade”.
 
 
Misericórdia
 
Ao recordar seu pedido para que “a Igreja redescubra neste tempo jubilar a riqueza contida nas obras de misericórdia corporais e espirituais”, o Papa recordou que a experiência da misericórdia torna-se visível no testemunho de sinais concretos como o próprio Jesus nos ensinou”.
 
“Todas as vezes que um fiel viver uma ou mais destas obras pessoalmente obterá, sem dúvida, a indulgência jubilar. Daqui o compromisso a viver de misericórdia para alcançar a graça do perdão completo e exaustivo pela força do amor do Pai que não exclui ninguém. Portanto, tratar-se-á de uma indulgência jubilar plena, fruto do próprio evento que é celebrado e vivido com fé, esperança e caridade”.
 
Falecidos
 
O Papa explicou ainda que a indulgência jubilar poderá ser obtida também para quantos faleceram.
 
“A eles estamos unidos pelo testemunho de fé e caridade que nos deixaram. Assim como os recordamos na celebração eucarística, também podemos, no grande mistério da comunhão dos Santos, rezar por eles, para que o rosto misericordioso do Pai os liberte de qualquer resíduo de culpa e possa abraçá-los na beatitude sem fim”.
 
Remetendo ao seu magistério apresentado na Encíclica Laudato si, Francisco recordou que um dos graves problemas do nosso tempo é certamente a alterada relação com a vida: “uma mentalidade muito difundida já fez perder a necessária sensibilidade pessoal e social pelo acolhimento de uma nova vida”.
 
 
Aborto
 
Nesse contexto caótico, Francisco afirmou que “o drama do aborto é vivido por alguns com uma consciência superficial, quase sem se dar conta do gravíssimo mal que um gesto semelhante comporta. Muitos outros, ao contrário, mesmo vivendo este momento como uma derrota, julgam que não têm outro caminho a percorrer”.
 
O Papa dedicou atenção especial às mulheres que recorreram ao aborto. “Conheço bem os condicionamentos que as levaram a tomar esta decisão. Sei que é um drama existencial e moral. Encontrei muitas mulheres que traziam no seu coração a cicatriz causada por esta escolha sofrida e dolorosa”.
 
O que aconteceu é profundamente injusto – sublinhou o Papa – “contudo somente a sua verdadeira compreensão pode impedir que se perca a esperança. O perdão de Deus não pode ser negado a quem quer que esteja arrependido, sobretudo quando com coração sincero se aproxima do Sacramento da Confissão para obter a reconciliação com o Pai”.
 
 
Absolvição do pecado do aborto
 
Também por este motivo – destacou o Pontífice – “decidi conceder a todos os sacerdotes para o Ano Jubilar a faculdade de absolver do pecado de aborto quantos o cometeram e, arrependidos de coração, pedirem que lhes seja perdoado”.
 
Ao estender a absolvição do aborto a todos os sacerdotes, o Papa recomendou: “os sacerdotes devem se preparar para esta grande tarefa sabendo conjugar palavras de acolhimento genuíno com uma reflexão que ajude a compreender o pecado cometido, e indicar um percurso de conversão autêntica para conseguir entender o verdadeiro e generoso perdão do Pai, que tudo renova com a sua presença”.
 
 
Fraternidade São Pio X
 
Em suas últimas considerações, o Papa dirigiu um pensamento aos fieis que “por diversos motivos sentem o desejo de frequentar as igrejas oficiadas pelos sacerdotes da Fraternidade São Pio X”.
 
“Este Ano Jubilar da Misericórdia não exclui ninguém”, – assegurou o Pontífice. “De diversas partes, alguns irmãos Bispos referiram-me acerca da sua boa fé e prática sacramental, porém unida à dificuldade de viver uma condição pastoralmente árdua”, explicou.
 
“Confio que no futuro próximo se possam encontrar soluções para recuperar a plena comunhão com os sacerdotes e os superiores da Fraternidade”, auspiciou Francisco.
 
“Entretanto, movido pela exigência de corresponder ao bem destes fieis, estabeleço por minha própria vontade que quantos, durante o Ano Santo da Misericórdia, se aproximarem para celebrar o Sacramento da Reconciliação junto dos sacerdotes da Fraternidade São Pio X, recebam validamente e licitamente a absolvição dos seus pecados”.
 
O Papa encerrou sua mensagem “confiando na intercessão da Mãe da Misericórdia, recomendo à sua proteção a preparação deste Jubileu Extraordinário”.
 
 

terça-feira, 18 de agosto de 2015

Católicos a favor da Ideologia de Gênero?

 
 
Algo que me surpreendeu nesta semana...

O Papa Bento XVI disse certa vez que os piores inimigos da Igreja são aqueles que estão no seu seio, mas que não obedecem o Magistério da Igreja e seus ensinamentos, pondo-se contra o que ela ensina.
 
Na última terça-feira (11/08/15), estive na Câmara dos Vereadores em São Paulo, a frente de um movimento católico em defesa da família contra a Ideologia de Gênero. Fiquei surpreso com a atitude de um grupo de representantes da PASTORAL DA JUVENTUDE (PJ), que, em frente à Câmara que, com cartazes, defendiam a Ideologia de Gênero.
 
Neste dia, como foi amplamente divulgado, a Câmara de Vereadores votou o Projeto PME – “Plano Municipal de Educação”, rejeitando por 42 votos contra 2, a introdução da perversa e subversiva “Ideologia de Gêneros”, no plano de educação das crianças.
 
Muitos católicos se concentraram na frente da Câmara Municipal de São Paulo, e numa ação disciplinada e bem organizada, demonstraram aos Vereadores os erros inconcebíveis da tal ideologia de Gêneros. Eu tive a oportunidade de estar ali com o Pe. Paulo Ricardo, Prof. Felipe Nery, Pe. José Eduardo, e outros, num caminhão de som, mostrando aos presentes os erros dessa perigosa ideologia que quer colocar na cabeça das crianças que não existe apenas o sexo masculino e feminino, mas que elas vão “fabricar” o seu tipo sexual mais para frente, não importando que seu corpo e sua alma seja masculino ou feminino.
 
Ora, os Bispos do Brasil todo se manifestaram amplamente contra tal ideologia perversa, destruidora da pessoa humana, do casamento, da família e do plano de Deus. Os bispos do Regional Norte 3 de CNBB (Tocantins e Norte de Goiás), disseram: “Existem organizações nacionais e internacionais muito ocupadas em destruir a família natural, constituída por um pai, uma mãe e seus filhos. Hoje um dos recursos mais perigosos para atentar contra a família se chama “ideologia de gênero”.
 
Os Bispos e toda a América Latina e Caribe, em Aparecida, no CELAM, disseram, no Documento de Aparecida (n.40): “Entre os pressupostos que enfraquecem e menosprezam a vida familiar, encontramos a ideologia de gênero, segundo a qual pode-se escolher sua orientação sexual, sem levar em consideração as diferenças dadas pela natureza humana. Isso tem provocado modificações legais que ferem gravemente a dignidade do matrimônio, o respeito ao direito à vida e a identidade da família”.
 
A Nota da CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, disse o seguinte: “Com a ideologia de gênero, deixou de ser válido aquilo que se lê na narração da criação: «Ele os criou homem e mulher» (Gn 1, 27). A introdução dessa ideologia na prática pedagógica das escolas trará consequências desastrosas para a vida das crianças e das famílias. O mais grave é que se quer introduzir esta proposta de forma silenciosa nos Planos Municipais de Educação, sem que os maiores interessados, que são os pais e educadores, tenham sido chamados para discuti-la”.
 
O Papa Francisco, aos Bispos porto-riquenhos, em 8/6/2015, falou da “beleza do matrimônio”, com a “complementaridade homem-mulher, coroação da criação de Deus que é desafiada pela ideologia do gênero”. E perguntou, na Audiência de 15/4/2015: “Existem ´colonizações ideológicas` que procuram destruir a família. Vêm de fora, por isso digo que são colonizações, como a “ideologia de gêneros”, esse erro da mente humana”. E comparou-a “à máquina de propaganda nazista. Existem “Herodes” modernos que “destroem e tramam projetos de morte, que desfiguram a face do homem e da mulher, destruindo a criação.” (Visita a Nápoles). “A ideologia de gênero é contrária ao plano de Deus!”. “Eliminar a diferença (de sexo) é um passo para trás na sociedade. A defesa da família tem a ver com o próprio homem (e não Estado). E fica claro que, quando se nega a Deus (e a origem), a dignidade humana também desaparece”.
 
Ora, apesar de tudo isso, apesar da luta enorme da Igreja católica para livrar as nossas crianças dessa terrível ideologia; um grupo de representantes da PJ – PASTORAL DA JUVENTUDE, estava lá em São Paulo, na rua, com cartazes defendendo  a Ideologia de Gêneros. Você pode ver isso no link http://ssoucatolico.blogspot.com.br/2015/08/e-catolico-ou-nao-votacao-do-pme-em-sao.html, onde lê-se nitidamente: “Sou católico, sou PJ, Gênero sim!”
 
Ora, o que pretendem esses membros da PJ, distanciando-se dos ensinamentos oficiais da Igreja? Não conseguimos entender um comportamento desse tipo, em público, por parte de alguns de seus representantes. Pais e jovens católicos precisam saber disso. Quem não está com a Igreja e seu Sagrado Magistério não está com Jesus Cristo.
 
 
Prof. Felipe Aquino

 
 

sábado, 15 de agosto de 2015

Cinco virtudes de São José que todo homem deveria ter


A vida dos santos precisa ser para nós como um livro vivo, no qual lemos as virtudes que têm sua fonte no próprio Cristo

Pelo menos, este é o objetivo da Igreja quando se canoniza alguém: dizer aos cristãos que a santidade é possível e propor um caminho para ajudá-los a chegar a este propósito, fim de todo homem, criado à imagem e semelhança de Deus. Trata-se de vidas que se permitiram ser modeladas pela graça, a tal ponto que chegam a ser um anúncio da santidade de Deus mesmo. No mês de março, a Igreja nos propõe celebrarmos a solenidade de São José, pai adotivo de Jesus. Quais poderiam ser então as virtudes vividas por José, as quais todos os homens são chamados a imitar? Esta é uma tarefa um tanto quanto árdua, pois sua figura é marcada pelo escondimento e pela discrição.

5 virtudes de são  josé que todo homem deveria ter

O Catecismo da Igreja Católica diz que “a pessoa virtuosa é aquela que livremente pratica o bem” (CIC 1804). E o bem não poderia ser outra coisa senão a própria vontade de Deus. Ora, vemos no Evangelho segundo Mateus que José foi dócil a essa vontade. E nessa docilidade, vemos uma manifestação da virtude da fé, pois por meio dela, “o homem livremente se entrega todo a Deus” (CIC 1814). “Despertando, José fez como o anjo do Senhor lhe havia mandado e recebeu em sua casa sua esposa.” (Mt 1,24). Na busca de fazer sempre a vontade do Pai, podemos vislumbrar também em José a virtude da prudência, dado que esta « dispõe a razão prática a discernir, em qualquer circunstância, nosso verdadeiro bem e a escolher os meios adequados para realizá-los » (CIC 1806). Pois, afinal de contas, onde poderia estar nosso bem verdadeiro senão na prática da vontade de Deus?

Neste mesmo Evangelho, vemos uma outra virtude em São José: ele era um homem justo. O texto bíblico o diz explicitamente (cf. Mt 1,19). Este termo, dentro do contexto bíblico, vai muito além do significado de justiça que temos em nossas sociedades contemporâneas. Ele exprime a ideia de alguém que é fiel, «que observa a lei». E esta fidelidade à lei, esta observância gera, por consequência, uma retidão no agir, seja para com Deus, seja para com os homens. Vemos, então, a virtude da justiça : « A justiça é a virtude moral que consiste na vontade constante e firme de dar a Deus e ao próximo o que lhes é devido » (CIC 1807). Em sua vida, diante daquilo que Deus lhe pedia, José não poderia lhe dar outra a não ser a realização de sua santa vontade.

Podemos também afirmar que São José tinha a virtude da fortaleza, uma das quatro virtudes cardeais. Pois, a fortaleza consiste em tornar o homem capaz de ter «segurança nas dificuldades, firmeza e constância na procura do Bem» (CIC 1808). E diante do que José viveu com Maria, antes do nascimento de Jesus, a procura de um lugar para que ela desse à luz, e depois fugindo da perseguição de Herodes, sem a virtude da fortaleza, talvez José não tivesse suportado a pressão das dificuldades exteriores. Essa virtude também o ajudou a permanecer na procura deste Bem, ou seja, da vontade de Deus que lhe havia sido claramente manifestada.

Por fim, José foi aquele que viveu a virtude do amor. Sem ela, ele não teria assumido viver a vontade de Deus como ela se lhe apresentou. « A caridade é a virtude teologal pela qual amamos a Deus sobre todas as coisas, por si mesmo, e a nosso próximo como a nós mesmos, por amor a Deus » (CIC 1822). Ao amarmos o Senhor, amamos igualmente Sua vontade e assumimos firmemente todas as consequências que lhe são vinculadas. Desta maneira, podemos ver na vida de São José, mesmo que contada tão brevemente pelos evangelhos, a presença deste movimento de amor que o levou a amar a Deus até as últimas consequências.